Adrian Pasdar além do personagem

por Ari Karpel

Quando você ouve o nome Adrian Pasdar (Nathan Petrelli, de Heroes), a palavra ‘musical’ não é exatamente o que vem a mente. Por isso, falamos com ele, por telefone, sobre “Atlanta”, um musical sobre a Guerra Civil do qual ele é co-autor (com Marcus Hummon, compositor premiado no Grammy) e co-diretor (com Randall Arney). Adrian também tinha outra surpresa para revelar: “Encontrei algumas pessoas do Nick Jr. — acabei de sair do escritório deles”. Sim, parece que ele e a esposa, Natalie Maines (cantora do Dixie Chicks), estão desenvolvendo uma série animada para crianças baseada em suas experiências em um rancho no Texas.

Mas espere, há mais! No final da conversa, ele falou sobre seu outro hobby: entre as gravações da série, ele filma os colegas de Heroes fazendo coisas nada heróicas, e depois põe os vídeos no YouTube. Agora, quando você ouvir o nome Adrian Pasdar, além de pensar no personagem… você vai lembrar também de musicais, séries infantis e vídeos engraçados na internet.

Um musical, hein? Não é exatamente o esperado.
– É algo que sempre quis fazer, mas não tive oportunidade. Quem me daria a chance de dirigir um musical, a menos que eu o escrevesse?

O que o inspirou a escrever um musical sobre um soldado do norte que veste o uniforme do inimigo para sobreviver à batalha?
– Lembro-me de estar em uma aula de história, aos quinze anos, sonhando acordado. Enquanto aprendíamos sobre a Guerra Civil, estava nevando e eu olhava pra fora. Lembro-me de pensar “como isso seria?”, de aprender que todos aqueles líderes – generais e coronéis – estavam no oeste quando a guerra começou. Eles tinham que decidir se voltariam para lutar no sul, ou se ficariam e lutariam no norte. Muitos deles, obviamente, decidiram lutar pela região de onde vieram. Sempre imaginei como seria se alguém do sul decidisse ficar e lutar no norte, e então ficasse preso nas linhas inimigas tendo que imaginar uma forma de escapar. O que aconteceria? Tenho isso em meu coração desde que tinha 15 anos. É uma daquelas coisas que permaneceram desde quando eu estava no ensino médio (high school).

Como Marcus Hummon entrou nessa?
– Marcus e eu estávamos lavando a louça depois de um jantar há uns seis ou sete anos, então contei a história a ele. Ele estava secando a louça quando eu disse “Ei, cara, deixe isso de lado”. Então ele disse: “Não, cara. Temos uma história aqui, sério.”. Uma das coisas que mais me orgulho é dizer que vou fazer uma coisa e, de fato, fazer isso. Então demos um passo em direção ao abismo e saímos de lá com a história.

Por que você é co-diretor ao invés de diretor?
– A greve, apesar de tudo, não poderia ter acontecido em um momento melhor pra mim [para que ele tivesse mais tempo para o musical]. Tive que concordar em ser co-diretor, porque naquele momento não havia greve. Precisei co-dirigir com Randall Arney [diretor artístico do teatro onde o musical está sendo apresentado]. Eu estava um pouco hesitante no começo. Achei que isso poderia comprometer o musical, mas aconteceu que não sairia tão bem se Randy não estivesse envolvido. Ele me desafiou em cada ponto, e melhorou as coisas. Tornou-se um bonito casamento.

Certamente esse não é seu único casamento de sucesso. Qual foi a colaboração de sua esposa em Atlanta?
– Ela foi assistir um dos ensaios com prova de figurino, que foi um completo desastre. Todos estavam como ‘por que você convidou sua esposa?’.

Ensaios com provas de figurino tem obrigatoriamente que ser ruins?
– Exatamente. Se a prova de figurino vai bem [de acordo com uma das lendas do teatro], você está com problemas. Não tivemos esse problema. Nossa prova foi um desastre, mas foi bom ter sido assim. Mostrou o que deveria mudar. Natalie fez várias anotações. E cada uma de suas anotações foi bastante válida. A participação dela foi importante.

E sobre a série para crianças?
– É a história de um porco e um buldogue inglês que se tornam amigos. É baseado em uma história real do nosso rancho no Texas. Herdamos um porco quando compramos o rancho e tínhamos um buldogue, colocá-los juntos era como misturar óleo e água. Mas eles se tornaram amigos. Então decidimos criar a série infantil “As Incríveis Aventuras de Stella e Ralph” (the “Amazing Adventures of Stella and Ralph”).

Também há uma pequena série chamada Heroes. Tem havido muitas críticas esta temporada, inclusive Tim Kring desculpou-se.
– Todos nós acreditamos muito nos escritores de Heroes. Será interessante ver o que acontecerá na terceira temporada, como eles põem em prática o que aprenderam e realmente contar a história que querem contar sem perder audiência. Porque a meta é ter a maior audiência que pudermos. O grande desafio é: isso não é uma programação estúpida, não é um ‘reality-show’. É complexo. Há muito em Heroes. Tim não é avesso a correr riscos, como pudemos ver nos episódios da segunda temporada. Acho que foi um efeito colateral. Os últimos três ou quatro episódios realmente voltaram ao que a série é de fato.

Você convidou Leonard Roberts (que interpretou D.L. Hawkins em Heroes) para o elenco de Atlanta. Você sabia sobre o talento musical dele?
– Leonard e eu andamos muito de bicicleta juntos. Nas manhãs de sábado e domingo, costumávamos andar uns 85 a 100 kms, o que dá um bom tempo para conversar. Falei sobre a história e como achava que ele seria perfeito para o personagem. Sobre cantar, como qualquer ator, ele disse “claro que sei cantar!”. Eu disse “bem, vamos ver”. Ele teve que passar pela seleção. Não dei a ele nenhum favoritismo.

O elenco de Heroes parece se divertir bastante, pelo menos é o que percebo no YouTube.
– Tenho um canal no YoutTube, Buckshotwon. Começou como uma piada, apenas algumas cenas engraçadas. Quando atingiu dez mil cliques, eu estava como “uau!”. Então 400 mil. Agora devem ser mais ou menos 1,2 milhões de cliques de todo o mundo. É incrível. O motivo de ser um sucesso é porque tem pessoas famosas. Greg Grunberg, Hayden e eu temos acesso. Meu vídeo preferido é “Grunny Goes Nuts” [veja abaixo]. Filmá-lo levou tanto tempo quanto leva assistí-lo. Foi em uma pausa nas filmagens, começamos a agir como crianças no laboratório quando o professor não está por perto. Ele começou a fazer uma coisas loucas, e eu filmei. Depois colocamos aquela música do Bloodhound Gang. Foi divertido.

Alguém da NBC disse a você que isso deveria estar no site deles?
– Tenho sido abordado por várias pessoas; mas, no segundo que comecei a fazer isso, tive que lidar com as questões legais envolvidas. Muitas pessoas dizem “você tem que pôr isso no dvd da segunda temporada”. Mas não posso. Estou usando músicas protegidas por direitos autorais. É apenas pela diversão, enquanto estiver no lugar onde está e ninguém estiver ganhando dinheiro com isso.

Grunny Goes Nuts (Grunberg fica doido)

(Fonte: Entertaiment Weekly)

– postado por Alex Sanders

Anúncios

5 Responses to Adrian Pasdar além do personagem

  1. Ana Gitelman disse:

    Primeiro eu preciso dizer que esse homem é irritantemente bonito 😛
    E super familiar também. Nem eu entendi porque ele levou a esposa para a prova de figurino.
    Daí ele puxa uma aula de história da 5a. série para justificar o tema. Okay, me deu a impressão de estar meio perdido. Você é lindo e tudo, Adrian, mas depois dessa nem eu te daria a direção de um musical.

  2. Isabela. disse:

    Nossa, o Adrian gosta de diversificar… uma série se Sci-Fi, um músical de história e até desenho animado de animais falantes. rsrsrs
    Ele parece ser simpático, e essa idéia dos vídeos no youtube foi ótima, sempre vou ver lá, eles são bem divertidos. Principalmente os do Greg, ele é muito bobo.

  3. juliealencar disse:

    eu tb vivo visitando o site dele no youtube pra ver novos videos, ele acaba passando um lado dos atores que a gente desconhece..mostra que eles nao sao alienígenas!hueuieiehihueihuie

    Eu adoro os videos do greg, tem uns do milo muito bons, do Masi imitando o yatta em nova york é hilario, ele morto de vergonha, e os da kristen são sempre bem legais

    E tem um que mostra o filho dele, taummmmmmm fofoooooooooooooooooooooooooo

  4. deusadoclima disse:

    Esse vídeo do Greg é muito engraçado. Ele e o David Anders são os mais pirados nesses vídeos.

    Te amo, Adrian! Você é lindo!

  5. The Air Hero disse:

    Eu acho que ele é um conceito criado pela sociedade contemporânea.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: